20.6.10

Morreu o José…


Por estes dias morreu um senhor chamado José…como tantos outros que vivem em Portugal e para os quais os pais não tivera grande originalidade para o nome, também porque talvez todos eles são de uma geração em que ainda não existiam Soraias, Vanessas, Leilas…resultantes da simpatia pelas personagens das novelas brasileiras. Na época destes Josés, as suas senhoras eram na sua maioria Marias…como eu, ou então tinha a infelicidade de terem nomes bem mais complicados, para não dizer maus que dói…Contudo, este senhor José que se finou tinha um sobrenome reconhecido internacionalmente, principalmente pelos senhores suécos (que não se devem chamar José) que lhe atribuiram o Nobel da Literatura. O senhor José, não é um Zé como os outros, é tão somente um Saramago Nobel da Literatura. É assim que o definem e apresentam…como um prémio, como um ícone…agora que se finou em Espanha. Já li o senhor e confesso que, percebendo o que escreve e como até poderá constituir uma leitura interessante intelectualmente, eu simplesmente não tenho paciência para o seu tipo de escrita…cansa-me a falta de vírgulas. Estilo, génio, seja o que for não me entra. E o país dividiu-se entre os que entendem Saramago como uma mente e desempenho literário de génio e o que pura e simplesmente não gostam do que ele escreve. É de considerar que estes últimos na sua maioria à pergunta “Mas porque não gosta de Saramago?” respondem ou que nunca leram ou que tinha teorias demasiado radicais e contra a Igreja…Não sei…nunca entendi assim…li o Memorial do Convento e o Ensaio Sobre a Cegueira…não me tornei fã na altura e não me tornarei agora que o senhor não continua por cá. Resta-me continuar a minha vida sem me debater demasiado com o assunto, como vinha fazendo antes mesmo de escrever este texto.

Sem comentários: