14.9.08

artist: nasimo
"Era esse o problema, sempre fora, o tempo todo. Era mais fácil dizer a si mesma que não era muito boa em alguma coisa. Era mais seguro acreditar que não era inteligente ou hábil. Porque se alguém tiver bastante confiança para tentar alguma coisa, precisa de ter coragem suficiente para fracassar. (...) Lá bem no fundo, porém, bem fundo, havia o conhecimento de que se fracassasse, teria de viver com isso. E não tivera a coragem de tentar. "

Nunca tinha sido considerada muito inteligente, sempre fora uma aluna mediana, não se podendo considerar bonita, dentro dos níveis estabelecidos pela sociedade em geral, principalmente pelos que a rodeavam.

Por isso pedidos de namoro foram rejeitados, pela certeza absoluta de que iriam resultar em fracasso, caminhos mais ambiciosos não foram percorridos, e sempre se regeu por "jogar pelo seguro" sem nunca ter arriscado sentir mais do que se o necessário, apenas porque era necessário fazer aquilo que se esperava de uma pessoa sensata e ajuizada, apenas porque sentia medo de sentir e acabar magoada.

Quando o pedido de namoro foi aceite, porque se decidiu arriscar, afinal tinha chegado a altura certa (mas quando será a altura certa?) percebe-se que com o sentimento vem o descontrolo e a dor, por vezes fisica, demasiado forte para continuar impune, que deixa uma marca de tamanho suficiente para condicionar o sentir novamente...o sentir realmente, e não apenas uma atracção.

Hoje perdi-me pelas ruas de Lisboa, assisti a um concerto inesperado, voltei para casa e entreguei-me à leitura de um romance, que me enleva num sonho (after all i'm still a dreamer), aproveitei o tempo comigo e não senti aquela necessidade absoluta que por vezes tinha de não estar sozinha.

Admiro as pessoas que se apaixonam com facilidade, já tenho saudade de beijar, de resto para mim o beijo sempre foi mais importante do que o resto (resquicios de uma Pretty Woman), mas ainda que acredite ser possível AMAR de novo, não acredito que seja any time soon, talvez porque tenha as minhas dúvidas de que alguma vez vá encontrar...talvez apenas encontre o GOSTAR e não o AMAR...who knows...not me e incrivelmente quando penso nisso apenas sinto pena de não ter alguém do meu lado para compartilhar pensamento e ideias, um abraço, um beijo, um sorriso, uma lágrima, uma paixão....quase idilico e quando penso que a maioria dos relacionamentos perde tudo isto num curto espaço de tempo...não sei que pensar...

Nunca consigo organizar as ideias que saem para o papel à medida que as penso, acabo por não reformular os textos para não alterar o que me parece genuinamente saído de mim, e não me importo que possam parecer mal escritos ou sinceros demais...talvez devesse....

1 comentário:

criptog disse...

Este post lembrou-me o seguinte lido recentemente:
"... the patience to wait for the right moment and the courage not to be disappointed with what we encounter". (Paulo Coelho)
Não te preocupes com a forma ... o post está bom!
:)