17.8.08

Perturbações...

artist: transe
Gostava de aprender a sentir-me realmente bem com a minha própria solidão...pelo menos nessa altura poderia encontrar alguma paz!

Por vezes apercebo-me que os dias passaram sem que me desse conta, que permaneci numa rotina diária e mecânica sem emoção em demasia que pudesse abalar a apatia instalada.

Pergunto-me quando será a minha vez de ... pergunto-me constantemente mas a mente permanece vazia de tudo e de nada. Contudo este estado reflexivo não advém de uma terapia zen que tenha contribuido para o esvaziar do pensamento...porque a minha cabeça funciona a mil e a maioria das vezes nem eu própria consigo apanhar os pensamentos que deambulam como fantasmas numa casa assombrada.

O facto de andar a ler Ana Teresa Pereira não ajuda. É das poucas autoras portuguesas que leio, aliás é a única. Não sei se leio por gosto ou por vício, sei que me perturba, que não me deixa indiferente e que me transporta para um mundo do qual eu dificilmente consigo encontrar a saída. É um mundo escuro, de casas solitárias, de flores e cheiros, de elementos constantes, de uma solidão perturbadora, de uma paixão eterna, de um mar negro e libertador...

3 comentários:

criptog disse...

(A long shot) let yourself recognize your presence!?

Stella Maris disse...

Mais cedo ou mais tarde vais-te habituar a estar contigo própria, não sei é se isso é uma boa coisa... depois terás mais dificuldade em deixar alguém entrar na tua vida.

Gui wings disse...

è bom estar sozinha, não ter barulhos à volta, ter espaço para pensar...o pior é que no vazio os nossos pensamentos ecoam e chamam-nos à realidade.

Eu digo 60/50. Eu digo recorrer à socialização em pequenas doses para não pirar de vez.

ps: desculpa se isto não faz sentido :P